terça-feira, 19 de maio de 2009

ESPAÇO DENSO - O SEXTO ESTADO DA MATÉRIA.

ESPAÇO DENSO - O SEXTO ESTADO DA MATÉRIA.

ancelmo luiz graceli

Astronomia
Radiação Solar

astronomia estruturante graceliana.

-astronomia variável com o afastamento do secundário do primário-produtor.

-a origem do astro e produção de energia como fator principal na produção da rotação, afastamento e translação.

-a rotação e afastamento como fator fundamental na orbital dos secundários.


ancelmoluizgraceli@hotmail.com

Meus blogs

Membros da equipe

astronomie graceliana
sexta teoria de astronomia graceliana
quarta teoria da la astronomia graceliana
TEORIA DA BIOLOGIA GRACELIANA 1
sexta teoria de astronomia graceliana
PRIMEIRA TEORIA DE PSICOLOGIA GRACELIANA
teoria de biologia, astronomia.cosmo...
teoria di biologia e vitalsmo graceliano
Brazilian-Journa...
ASTROPHYSICS - GRACELIANA 1
SESBRAC . SOCIEDADE ESPÍRITO SANTO - BRASIL DE A
OITAVA TEORIA DE ASTRONOMIA ESTRTUTURANTGRAC...
OITAVA TEORIA DE ASTRONOMIA GRACELIANA
astronomy theory graceliana -sétima.
ASTRONOMY-GRACEL...
THÉORIE DE BIOLOGIE GRACELIANA
TEORÍA DE LA BIOLOGÍA GRACELIANA
FIFTH THEORY OF ASTRONOMY GRACELIANA 3
quarta teoria de astronomia graceliana
ASTRONOMIA DE ENERGETICIDADE, ROTAÇÃO E FLUXOS.
TEORIA DE LA BIOLOGIA E VITALISMO GRACELIANO
Revolução Cientifica Graceliana
Química e física –teoria della unificação por inte
ASTRONOMÍA DE LA ENERGÍA, DEL MASER, DE SECUENCIAS
TEORÍA DE LA BIOLOGÍA GRACELIANA
ASTRONOMIA DI ENERGIA, DEL Maser, DEI FLUSSI, DELL
SÉTIMA TEORIA DE ASTRONOMIA GRACELIANA
THEORY OF UNIVERSE FLUXONARY
ASTRONOMY OF ENERGY, MASER, STREAMS, VARIATIONS, R
PRIMEIRO SISTEMA FILOSÓFICO ´GRACELIANO CRACIOLÓGI
FILOSOFISMO E FILOSOGIA GRACELIANA CRACIOLÓGICA
teoria da cosmofísica - graceliana.
FILOSOFIA CRACIOLÓGICA GRACELIANA
TEORIA DE ASTRONOMIA DA ENERGETICIDADE. RADIAÇÃO.
BIOLOGIA GRACELIANA VITALISMO DIVINISMO
cosmologie e cosmofisica-grac...
theory of cosmology graceliana
autocosmo
THEORY OF BIOLOGY GRACELIANA
TEORIA DE BIOLOGIA GRACELIANA

Início | Recursos | Sobre | Buzz | Ajuda | Debater | Idioma | Desenvolvedores | Acessórios
Termos de Serviço | Privacidade | Política de conteúdo

QUÍMICA E FÍSCA - unificação por interações de energia - graceliana

Sistema cientifico paralelo graceliano.

0 comentários

Sistema cientifico paralelo graceliano.

DIFERENÇAS ENTRE O SISTEMA GRACELIANO E O CONTEMPORÂNEO.

G - Cosmologia do universo fluxonário estruturante
Elemento primordial – espaço denso.
Autocosmo.

G -Rotação e translação do cosmo.
Afastamento ínfimo pela impulsão da radiação.

G - Agente de ação do cosmo.
Energia, radiação, temperaturas, rotação.

G - Teorias central.
Energeticidade, radiação, rotação,
Alternancidade, variância, estruturalidade,
Astro-cosmológica. Autocosmo, universo fluxonário
Estruturante.




C- big bang.
C- não tem um elemento primordial formador de todo o resto.
C – expansão.

C – gravitação.

C -teoria da gravitação, relatividade, cordas,
big bang, expansão, onze dimensões, teoria M, espaço curvo, matéria escura. Dimensões curvas.

C-Variável pelo tempo.
C – Usa a distancia e a velocidade da luz para cálculos.




G – o universo não se encontra em expansão, mas sim em rotação, translação e afastamento ínfimo. [ ver teoria do universo fluxonário].

G- Universo estruturante, evolutivo, sem formato curvo. Não se fundamenta em geometria curva,

G- variante pela energia que vai se processando. Autocosmo.

G- Não se fundamenta em referenciais.

G- Encontra unidade na estruturação cosmológica. Onde partículas, energia, astros, elementos, e cosmo forma um só todo. Onde a energia que atua sobre a partícula vai atuar sobre os elementos, os astros e sobre o cosmo.
G – fundamenta a unificação total – da energia ao cosmo.

G – Usa energia, diâmetro, radiação, temperatura, rotação e velocidade equatorial. Para cálculos.

G – uni a cosmologia com a astronomia – o fenômeno que forma o astro é o mesmo que produz a sua dinâmica, a energia e radiação. Que é a energia.

G – Uni também a química – os elementos evoluem e se modificam conforme a intensidade desta energia.

G – a rotação função primordial neste sistema. E não a translação.

G- o astro antes de ser esférico, enquanto se estrutura ele já se encontra em translação.

G- origem e translação acontece ao mesmo tempo.

G – a dinâmica e órbita tem origem pela energia e varia pela desintegração de energia.

G – uni a física, química e a cosmologia.

omentários
FÍSICA. TEORIA DA FÍSICA ESTRUTURANTE GRACELIANA.


UNIFICAÇÃO GERAL E TOTAL PELA FÍSICA ESTRUTURANTE GRACELIANA.

FÍSICA DE ENERGETICIDADE E RADIAÇÃO.

SISTEMA FÍSICO PARALELO GRACELIANO.



Autor – ANCELMO LUIZ GRACELI.

Ancelmo00@bol.com.br

Tel. 27- 32167566
Rua Itabira, número 5, Conjunto Itapemirim,
Rosa da Penha, Cariacica, E.S. cep.29140 -269.

Colaborador – Marcio Piter Rangel.

Apresentado ao Brazilian Journal of Physics – Sociedade Brasileira de Física – SBFísica.

À SECT . ES e FAPES . ES. Brasil.

Registrado na Biblioteca Nacional.

DO QUASE NADA TUDO PODE SURGIR – EXCETO DEUS. POIS É O ÚNICO ABSOLUTO.




INTERAÇÕES [ação de energia sobre energia]– PARTÍCULAS – ELEMENTOS – MATÉRIA – ENERGIA – ASTROS – FLUXOS –COSMO.

- Os universos físicos são processos e fases estruturantes na produção de energia, partículas, temperatura, astros e do cosmo. Produzindo fluxos e evolução da matéria, astros e o cosmo.

-A física estruturante forma uma só parte da teoria física, que é o sistema físico paralelo graceliano.


MICROFÍSICA DE INTERAÇÕES, GEOFÍSICA E UNIFICAÇÃO GERAL.


Quando um elétron passa de uma órbita externa para outra, o mesmo emite um fóton de energia, e isto é proveniente da produção de energia, interações físicas e troca de energia que constitui o próprio átomo, sendo o fóton produto das interações fisicas e de temperatura e produção de energia e radiação.



UNIVERSO INTERATÔMICO.

O universo de interações microscópicas é onde campos se projetam, e fótons são emitidos entre órbitas, radiações ocorrem entre órbitas, e a matéria é aumenta o seu processo interno.



CAMPO FOTÕNICO.

O fóton de luz produz um campo de alcance curto e intensidade pequeno, e é um campo de feixes descontínuos, podendo ser considerado o menor campo produzido por interações em todo o universo.

O campo fotõnico possui alcance e intensidade mínima [ínfima], e possui atração e repulsão.


FLUXO FOTÔNICO.
E se processa em fluxos com maior e menor intensidade. E maior e menor alcance. Uma quantidade maior, seguida de menores,depois volta a crescer.


PULSOS FOTÔNICO.

A energia como forma de radiação ou como fóton é emitido em pacotes de produção de energia, ou seja, o processo de produção de energia produz a luz, campo fotõnico, radiação, spin, temperatura, velocidade e pulsos dentro da estrutura do fóton.

Existem vários tipos de interações físicas, como de fusões nucleares nas estrelas, nos átomos, nos fótons, nos elétrons, e outros.


UNIFICAÇÃO ENTRE ENERGIA, TEMPERATURA, PRESSÃO INTERNA, DINÂMICA E ÓRBITAS.

As interações acontecem em qualquer condição, independente de acréscimo de temperatura, e é um dos agentes da dinâmica dos astros, átomos, elétrons e fótons, e a temperatura pode aumentar ou diminuir as interações físicas.
As interações físicas produzem também todos os tipos de campos, o gravitacional, eletro-fraco e o fotõnico.

TEMOS AQUI A UNIDADE TOTAL ENTRE A MICROFÍSICA, A ASTRONOMIA E COSMOLOGIA ESTRUTURANTE DA ENERGETICIDADE E RADIAÇÃO GRACELIANA – PUBLICADA NA INTERNET.


DE QUE O AGENTE PRINCIPAL DA DINÂMICA DOS FÓTONS, ELÉTRONS, GASES, ASTROS, E DO COSMO É A ENERGIA E NÃO OS CAMPOS.

[ver na rede revolução graceliana na astronomia].

A matéria se modifica e evolui conforme as interações físicas, energia e temperatura que constitui a sua estrutura.


Assim, as interações físicas, processos de energia estão presentes em todos os fenômenos da matéria, nas variações das camadas e núcleo da Terra, dos astros e do átomo. E os elementos químicos evoluem através das interações de energia, e que os gases alteram a sua constituição física.



COSMOFÍSICA, ASTROFÍSICA E GEOFÍSICA.

O sistema solar possui uma idade bilhões de vezes maiores do que é calculado hoje, pois tem que se calcular cada fase de interações de energia, fissões e fusões em que levou para se formar o astro.

O planeta Terra também passou e passa por fases de energia.
Porem como todos os astros a sua formação estrutural são de fora para dentro, com os elementos e componentes da radiação.



AUTOCOSMO.

O universo é uma máquina em funcionamento, onde ele próprio produz a energia, a estrutura, dinâmica, evolução, interações físicas, órbitas, as variações e mudanças.


UNIVERSO AUTO DINÂMICO.

Logo, o universo não está em inércia, nem em repouso, ele se encontra vivo e produzindo a sua própria existência.

A ENERGIA SURGE ATRAVÉS DO ESPAÇO DENSO, PROCESSA E ESTRUTURA A MATÉRIA POR COMPRESSÃO, FORMA OS ASTROS, QUE SE DESINTEGRAM E VOLTAM A REINTEGRAR-SE, ASSIM, A ENERGIA SURGE E SE DESINTEGRA.

LOGO, ELA NÃO É CONSTANTE. A energia não de conserva. Toda energia se desintegra.

E NÃO EXISTE INÉRCIA, POIS O UNIVERSO É ENERGIA E NÃO EXISTE ENERGIA EM INÉRCIA.

TUDO SE ENCONTRA EM DINÃMICA E SE DESINTEGRANDO, REINTEGRANDO.

ENQUANTO EM OUTROS ESPAÇOS CÓSMICO, OUTRA ENERGIA SURGE DO ESPAÇO DENSO.

ASSIM O UNIVERSO NÃO SE ENCONTRA EM REPOUSO E NEM EM INÉRCIA. E A ENERGIA NÃO SE CONSERVA.

DESINTEGRA-SE E SURGE ATRAVÉS DA COMPRESSÃO DO ESPAÇO DENSO.

[ver na rede teoria do universo fluxonário estruturante e autocosmo].




NA NATUREZA TUDO SE TRANSFORMA, PARTE É DESINTEGRADA [SE PERDE], E TUDO SURGIU A PARTIR DE UM ELEMENTO PRIMORDIAL [SE CRIA]. ASSIM, SE CRIA, SE PERDE E SE TRANSFORMA.
Ancelmo Luiz Graceli.


O SEXTO ESTADO DA MATÉRIA.

O ESPAÇO DENSO - O SEXTO ESTADO DA MATÉRIA.

EM QUE AINDA NÃO SE FORMOU EM ESTRUTURAS DENSAS, SEM ELÉTRONS.

SEM CARGAS. DINÂMICA QUASE EM REPOUSO. SEM PESO. DE TAMANHO ENORME [DE QUILÕMETROS].

SEM FORMATO DEFINIDO. DE BOLHAS.

E PRESSÃO INTERNA ÍNFIMA.






AS INTERAÇÕES FÍSICAS E ENERGIA É QUE DÃO A VITALIDADE AO COSMO, é através da radiação e energia que surgem novos astros, menores e com menor intensidade de interações, energia e radiação.

Assim, se tem que considerar o cosmo como uma estrutura viva, e produzindo a sua própria existência e em auto construção, onde produz a sua energia e a sua estrutura a partir de energia própria de fusões e fissões, logo o universo é vivo e auto dinâmico.



GEOFÍSICA.
As camadas do solo como também a espessura e densidade das mesmas são produtos de interações fisicas, fusões e fissões, e fundição por intensas temperaturas.


GEOFÍSICA DE INTERAÇÕES, GEOGRAFIA, GEOLOGIA.

As camadas, como o núcleo na estrutura do planeta Terra são mantidos por interações de fusões, porem, esta energia de fusões e alta temperatura no centro do planeta são expelidas constantemente para fora, só que o petróleo absorve esta impulsão e radiações.

E com a retirada deste material do interior do planeta, as interações físicas e fusões nucleares espontâneas do núcleo da Terra produzirão as erupções vulcânicas com maior intensidade, os terremotos, e a temperatura tende a aumentar, alterando a temperatura do planeta, mudando os mares e montanhas. Onde plantas tenderão a crescer, surgindo novas espécies de plantas e animais com outras resistências a altas temperaturas.

Porem, o aquecimento global é uma consequencia negativa em curto prazo. Porem para o futuro trarão uma maior condição de vida para o planeta, pois ele demorara mais tempo para se congelar, prolongando a vida sobre o planeta e mantendo o oxigênio por mais tempo.

Vê-se animais como os dinossauros que mudaram de tamanho, outros que desapareceram porque a temperatura do planeta veio diminuindo vagarosamente, e árvores que diminuíram e outras que desapareceram, logo, com a temperatura voltando a aumentar a tendência é surgirem novas árvores e animais e com maior porte e com mais tempo de vida.

Com a temperatura que diminuiu os gases também diminuiram. As montanhas ficaram menos altas, as águas dos mares e oceanos decresceram, e as chuvas também eram mais intensas, e o planeta tinha uma dinâmica maior, os vulcões, terremotos, maremotos, furacões eram maiores, pois a produção de energia era maior.

Assim, aumentando a temperatura os fenômenos passarão por novas fases com maiores intensidades.

A atmosfera e os gases em volta da Terra também variam na sua forma de estrutura conforme a intensidade de interações físicas, energia e temperatura em que se encontram hoje.

TODOS OS ASTROS TENDEM AO ESFRIAMENTO COM A PERCA [PELA DESINTEGRAÇÃO] DE INTENSIDADE DE ENERGIA INTERNA E O AFASTAMENTO DO SOL.

Aonde toda geologia, geofísica e geografia, atmosfera, processos físicos, químicos, botânica, zoologia e ecologia vão se alterando progressivamente.

Só que com a retirada do petróleo o planeta tende a ficar de novo um pouco mais quente, atrasando o seu envelhecimento e retornando as novas produções de processos químicos, físicos e biológicos no astro.

Logo, a retirada do petróleo e o aquecimento do planeta em curto prazo são ruins, mas em longo prazo é ótimo.

Vê-se que animais como os dinossauros e plantas desapareceram por causa da variação de gases da atmosfera, e diminuição de temperatura. E não de um imaginário asteróide sobre o planeta.



GEOLOGIA DE INTERAÇÕES.

Os materiais sobre o solo como também o relevo e o clima são produtos da temperatura externa e interna, e das interações físicas no interior da Terra.

E as interações que são produtoras tanto das camadas geológicas, como das temperaturas nestas camadas, dos relevos, e dos materiais na crosta do planeta.

O planeta Terra como todos os outros tendem ao esfriamento, por dois motivos, um pela diminuição de interações de processos físicos, de energia interna e esfriamento interno e externo [desintegração de energia pelo próprio processamento], e ao se afastar do Sol.

E o outro é o afastamento natural do astro pela ação da radiação e energia.


OCEANOGRAFIA DE INTERAÇÕES.

Vemos que os oceanos e os mares mudam conforme a temperatura, as interações físicas e fusões no interior do planeta, onde os corais, animais, plantas recifes, relevo, temperatura das águas também variam conforme a variação de energia.

E que também as correntes oceânicas e marinhas são produzidas por variações de temperatura produzidas pela energia e radiação do planeta e alguma influência da temperatura e radiação do Sol.


GEOTERMOFÍSICA

A temperatura da Terra tenderá a aumentar ligeiramente por causa da extração do petróleo, alterando a temperatura interna do astro, o clima, a atmosfera e oceanos.


COSMOGRAFIA.

A estrutura do universo segue o seu passado de interações fisicas interna e intensidade e fusões em altas temperaturas, tendendo ao resfriamento. Sendo o cosmo uma engrenagem em funcionamento dinâmico e de processos físicos, e trocas e produção de energia.

Logo o futuro do cosmo e dos planetas e outros astros dependem do presente e estão relacionadas ao passado de intensas produções de energia, interações e altas temperaturas.

[ver teoria do universo fluxonário estruturante na internet].



GEOFÍSICA.

A física de fusões, fissões, trocas e produção de energia, produção térmica, luz, variações e dilatação térmica. Como também a produção de elementos químicos, gases e atmosfera, atividades tectônicas, correntes oceânicas, marés, relevo, evaporação, clima e outros fenômenos que determina o universo físico do planeta dependem da produção de energia do mesmo e da influência tanto da radiação direta do Sol, e do Sol sobre a Lua refletindo sobre a Terra.


QUÍMICA DE INTERAÇÕES.

Os elementos químicos evoluem conforme a intensidade e o tempo das interações entre os processos de energia, e as altas temperaturas em que se encontra porem evoluem também com pouca intensidade de energia e baixas temperaturas.

A atmosfera terrestre varia também conforme a produção de energia e fusões naturais.



FÍSICA DE UNIDADE POR INTERAÇÕES NOS PROCESSOS DE ENERGIA.



UNIDADE DE CAMPOS.

As partículas não podem responder pela produção dos campos, pois também precisam de uma resposta de como são produzidas e originadas, sendo que as partículas e elementos químicos possuem origem pelo espaço denso e são modificadas através da produção de energia, interações físicas, fusões estelares e variações de temperatura.


Enquanto os campos são produzidos através de interações físicas e fusões espontâneas nos astros. Assim, todos os campos são na verdade um só, inclusive o do núcleo dos astros.

Ou seja, todos os campos são processos de interações na matéria ou na energia livre no espaço, e são produzidos na matéria ou energia livre no espaço.

OS CAMPOS OBEDECEM A UMA PROGRESSÃO DECRESCENTE, POR ISTO QUE O CAMPO GRAVITACIONAL POSSUI ALCANCE MAIOR E INTENSIDADE PEQUENA EM PROPORÇÃO AO MONTANTE DE PRODUÇÃO POR UMA ESTRELA.

O campo é forte próximo da onde está sendo produzido, e conforme a intensidade que esta sendo produzida. Depois ele decresce progressivamente ao se afastar da sua origem de produção, e se dissipa instantaneamente se espalhando no espaço.

Por isso que o gravitacional é fraco onde é medido, que é próximo da crosta da Terra, porem ele é produzido pelas fusões no núcleo do planeta.

LOGO, O CAMPO GRAVITACIONAL É MEDIDO LONGE DA SUA ORIGEM, POR ISSO ONDE É MEDIDO SÓ PODE APARECER COMO FRACO.

ENQUANTO QUE OUTROS CAMPOS QUANDO MEDIDOS MUITO PRÓXIMOS DE SUA ORIGEM TÊM APARÊNCIA DE FORTES.

E é afastado conforme a interação que o produziu, e a radiação que o afastou. Com isso vemos que todos os campos são na verdade um só, e a intensidade só quando próximos da produção.

DEPOIS DECRESCE PROGRESSIVA E INSTANTANEAMENTE. ISTO NÓS VEMOS TAMBÉM NO ALCANCE DE TODOS OS QUATRO CAMPOS. JUNTAMENTE COM O FOTÕNICO E O CAMPO NÚCLEO ESTELAR [O QUINTO, SEXTO E SÉTIMO [DO ESPAÇO DENSO]].

O CAMPO GRAVITACIONAL QUE É VISTO COMO UM CAMPO FRACO É NA VERDADE O MAIS FORTE, POIS ELE É PRODUZIDO PELAS INTERAÇÕES E FUSÕES NOS NÚCLEOS DOS ASTROS, E É SUPER FORTE PRÓXIMO DOS NÚCLEOS, E DECRESCE PROGRESSIVAMENTE E RAPIDAMENTE.

QUANDO CHEGA À CROSTA DOS ASTROS ELE JÁ PERDEU FORÇA, INTENSIDADE E ALCANCE.


UNIFICAÇÃO POR ENERGIA E INTERAÇÕES FÍSICAS.

A ENERGIA E AS INTERAÇÕES FÍSICAS UNIFICAM OS CAMPOS, AS PARTÍCULAS, A PRODUÇÃO DE TEMPERATURA, RADIAÇÃO E DINÂMICA.

Logo todos os campos são na verdade um só. E com uma só produção, que são as interações na produção de energia e fusões, que é o mesmo que constrói as partículas, a temperatura, os astros, o cosmo, os elementos químicos, luz, afastamento do cosmo, afastamento entre os planetas, as órbitas e dinâmica dos astros.

COM ISTO TEM-SE A UNIDADE.


O universo é um só com uma só produção, e onde é produzidos a atmosfera, vulcões, terremotos, furacões, etc., e no universo como um todo.

A luz, a temperatura e a radiação também possuem a mesma origem, que é uma intensa atividade de interações e produção de energia num minúsculo corpo em radiação, onde é produzida a luminescência.

O mesmo acontece com a temperatura, campo, e a radiação. Ou seja, são atividades intensas de interações e trocas na produção de energia numa minúscula matéria, que é vista como energia.



COSMO UNIFICADO
O COSMO É UM TODO UNIFICADO.

POR ORIGEM PELO ESPAÇO DENSO.
PRODUÇÃO POR INTERAÇÕES FÍSICAS NA PRODUÇÃO DE ENERGIA.
E ESSÊNCIA, COMO FORMA DE ENERGIA EM PROCESSOS.

Não levamos em conta aqui a vitalidade, a mentalidade, e a espiritualidade.
A teoria cósmica deve abranger e estar ligada a todos os ramos da ciência que começa com a origem, passa pela produção e essência, onde seus fenômenos, estruturas, componentes, poder, campos, energia, vida, mentes, seres, realidade e Deus.

Em tudo há uma ligação da criação cósmica, vida, mente e razão, espiritualidade e Deus.

Vê-se isto na criação, na vitalidade, no cosmo de interações unificadoras, num universo que nasce do poder de Deus que usa como estrutura do espaço denso, se consolida e se estrutura por energia, interações físicas e evoluções regidas por Deus.


CENTRO DO COSMO

O centro do cosmo é Deus, pois ele possibilitou a criação através do vazio do espaço denso, e da estruturação através das interações fisicas e energia, logo o universo possui um centro que está em todo universo.


ASTROFÍSICA E COSMOFÍSICA DA CRIAÇÃO.

O COSMO É UM PODER QUE CRIA A VIDA E DÁ ORIGEM PARA A PRODUÇÃO E AO SER.

Os gases que rodeiam a atmosfera de um planeta e é produzido pelo próprio planeta, através de suas interações físicas.

A energia se cria, ao surgir dos filamentos espaciais e em bolhas, e chegam a produzir a matéria estruturalizada e consistente, em luz, temperatura, partículas, astros, etc. A matéria se funde surgindo os elementos químicos dos leves até produzir os pesados e estáveis.

UNIVERSO DE CAUSA, EFEITO E ESSÊNCIA.

Somos parte do cosmo, e consistimos da matéria, juntamente com vitalidade e espiritualidade.

Enquanto o universo é um todo em atividade cósmica, se processando e criando novos horizontes para si mesmo, com fluxo e estruturas, como os elementos químicos com elétrons que pulsam criando um vai e vêm frenético em volta do núcleo.

Logo, o cosmo é vivo e se encontra em crescimento energético, pois há uma constante produção de novos horizontes dentro do mesmo.

O universo na verdade é um cosmo de processos físicos de energia e interações, criações, expansões, evolução, produção de energia, luz, radiação, temperatura, e partículas. Assim, se tem a origem, meio e fim, causa e efeito, produção, dinâmica, essência e novas criações. Assim, temos um universo infinito na origem, produção e transcendência.

Pois, o cosmo surge do espaço denso, sem altas temperaturas, de fora para dentro, do espaço para a matéria, se aglutinando, produzindo a energia, a matéria e as radiações, onde o efeito é a causa subsequente de novos fenômenos, dando margem ao processo de produção, origem de vários cosmos em vários estágios.

Ou seja, ele é uma criação regida por Deus e se unifica como único, pela mesma origem, mesma produção, e é a própria essência de ser.

Porém, vemos que o mesmo fenômeno que é a produção de energia produz a luz, temperatura, campos, partículas, energia, e astros, etc.

Onde a matéria é a energia e o espaço densificado, ou seja, pura energia de filamentos espaciais.

Enquanto as interações fisicas são energias em processo, porem tudo é espaço densificado, da matéria à energia, até aos astros.

Assim, o cosmo é energia em processos, a partir do espaço em filamentos densificado, onde tudo surge e se inter relaciona, pois o cosmo é um todo unificado em origem pelo espaço denso, produção pelas interações de energia, e essência pelo que são produzidas.

A luz é uma produção de interações físicas e energia, em micros fótons que se espalha no espaço, e aonde a luz se encontra temos energia, matéria, temperatura e campo fotõnico.

UNIDADE DE PARTÍCULAS.

As partículas são na verdade uma só essência e uma só produção e é energia concentrada solidificada. O que difere uma partícula da outra é a quantidade de concentração energética em um dado momento, onde uma passa a ter um comportamento diferente e com mais intensidade e variações do que a outra.

Porem todas é uma só coisa, que é energia solidificada a partir do espaço denso, com alta intensidade de energia, luz e temperatura, como também campo próprio e radiação própria.

Assim, as partículas são uma só, a luz é uma só, e os campos um só, o que diferem é na origem e na produção com maior ou menor intensidade, e todos os fenômenos decrescem em alcance e intensidade progressivamente conforme a energia que se encontra.

Uma fusão nuclear, uma produção de alta temperatura tanto produz luz, radiação, e campos.



UNIDADE DE CAMPOS.

Os campos dão uma aparência diferente, e o gravitacional quando é medido a uma certa distancia da sua origem, longe do núcleo, onde a ação de atração está um pouco mais forte, dando uma aparência de possuir só a atração, porem, possui atração e repulsão, só que é medido e testado longe da origem que a origem é no núcleo.

O campo gravitacional é finito em alcance e intensidade por isso que ele decresce progressivamente em intensidade e alcance.

Já foi exposto neste texto que os astros estão soltos no espaço, como um satélite artificial instalado que não se precipita em direção a Terra. Pois as órbitas e dinâmica dependem da radiação do astro impulsionador no caso o Sol, e com a densidade e diâmetro do astro.

Ou seja, de sua energia, e do afastamento progressivo em que se encontra.

Pois é possível calcular todos os fenômenos dos astros.

Assim, existe uma unidade total no universo em todos os fenômenos, a mesma origem, a mesma produção, e variando apenas em essências de ser, da energia passando pelas órbitas, até as dinâmicas. E novos astros e o cosmo como um todo.

[ver material já publicado na internet [ science graceli e astronomy graceli].



O QUE PRODUZ AS CARACTERÍSTICAS DOS CAMPOS.

Vê-se assim, que existe um só campo existente num cosmo de radiação, e o que difere um campo do outro é como e onde é produzido, e a distãncia da origem em que o mesmo é medido.

Se ele for medido longe da origem será fraco e de atração, pois já perdeu parte da ação de repulsão pela radiação. É o que dá uma aparência de que a gravitação é infinita.

Porem, já é confirmada neste texto, que a dinâmica e órbitas dos astros se deve a outros fatores, é como um satélite artificial onde todos estão soltos no espaço livre.

A repulsão vence a atração próxima do produtor do campo, principalmente porque a radiação e a temperatura estão mais intensas.

Já nos astros a medição é feita com imensa distancia da origem dos núcleos, onde os campos são produzidos.

Logo, se é medido próximo da origem se terá uma repulsão e uma atração, e longe da origem se terá só uma, que é a atração.

Assim, todos os campos são finitos, e de intensidade e alcance proporcional às intensidades de interações fisicas de produção interna de energia, e de energia em que são produzidas, como a luz, a temperatura e as radiações.

O campo não é produzido por partículas, mas sim, por interações fisicas de produção de energia que ocorre no interior das partículas, fóton, ou astro em que está sendo produzido.

Assim, os campos são um só inclusive o maior, o gravitacional, e o menor o fotõnico. Uma vez que o gravitacional é intenso no interior dos astros, e fraco onde é medido, que é fora na crosta ou na atmosfera dos astros, pois todos atraem e repelem, e possuem alcance finito.

A intensidade e alcance decrescem proporcionalmente. Sendo o gravitacional intenso por ser produto de milhões de fusões nucleares naturais no núcleo dos astros.

Assim, encontra-se a unidade total e geral dos fenômenos através da energia e interações físicas.


FLUXO CÓSMICO.

O universo é fluxonário por se contrair do espaço denso para a matéria, e se expandir da matéria por radiação e altas temperaturas e produzir novos astros com órbitas irregulares no próprio cosmo.

Vê-se também que no periélio, o que aumenta a aceleração e impulsiona o astro para frente é a energia e radiação do próprio astro. Pois recebe a radiação do Sol e esta radiação acelera os seus fenômenos interno.


CAMPOS

Assim, vê-se que os campos variam em intensidade, alcance e sentido, e a atração ou a repulsão é apenas conforme e onde estão sendo medidos, e a intensidade de produções por interações físicas e campos não estão relacionados com partículas, mas sim com potencial energético e de interações de energia.


OSCILATÓRIA QUÂNTICA.

UMA RADIAÇÃO NUNCA É IGUAL À OUTRA, COMO UM FÓTON NUNCA É IGUAL A OUTRO, ELES VARIAM DENTRO DE UM LIMITE INTERMEDIÁRIO ENTRE DOIS POTENCIAIS DE ENERGIA.



PULSAÇÃO QUÂNTICA

Pulso quântico - os fótons e a radiação ao se processarem no espaço durante a aceleração eles pulsam num vai e vem frenético de energia como um coração, o mesmo acontece com micros partículas em altas intensidades de variações na propagação no espaço.

Isso é produzido pelas interações de energia, fusões e fissões nas interações das partículas, isso só se vê quando um elétron pula para outra camada dentro do átomo.

Vê-se pelo espaço denso o porquê a matéria é infinitamente divisível, pois a matéria é feita de partes sem estrutura sólida, mas sim apenas de densidades de espaço.

Ou seja, se um imenso espaço denso produz uma partícula, esta partículas terá uma divisão ínfima.



UNIFICAÇÃO UNIVERSAL. Geral e total.

Vemos hoje que as fisicas se contrapõem, enquanto umas são contínuas, outras são descontínuas, como a quântica, a evolução dos elementos químicos e outras.

Logo é única pela teoria das interações, energia e das radiações, e que vamos de encontra a uma total unificação.

FÍSICA-PARTICULAS-ASTRO-COSMO. UNIFICAÇÃO GERAL.

Os processos físicos e interações de trocas de energia, estruturação de corpos por pólos e processos físicos produzem as partículas, os elementos e sua evolução.

E produz também os processos e evolução dos astros e do cosmo.



TEORIA DA PRODUÇÃO CÓSMICA.

Pois só esta teoria é possivel dar uma só resposta, a origem geral, a produção e a essência total e prosseguir infinitamente o processo de produção do universo, que é em si, o próprio universo, o de ser uma produção em si de si, e infinitamente.

Onde é a causa e o efeito de si, e todo efeito se tornará causa subseqüente do que vir a ser no futuro, sendo descontinuo desde a origem pelo espaço denso, e pela sua produção pelas interações internas de energia e radiação.

Esta teoria não se retrata como continua ou descontinua, mas sim é a teoria da produção pelos processos de energia.

Assim, o universo antes de ser continuo ou descontinuo, de causa e efeito, ele é produção em si e sobre si, onde o efeito é a causa do próximo fenômeno como forma, essência e produção de energia.


A UNIFICAÇÃO GERAL ACONTECE EM TODOS OS FENÔMENOS FÍSICOS, QUÍMICOS, BIOLÓGICOS, ASTRONÔMICOS E COSMOLÓGICOS.

Pois em tudo há processos e produção de energia regendo todos os fenômenos. Pois a energia do oxigênio tem função primordial na estruturação vital e no corpo do ser vivo.

Sem o oxigênio o ser não só deixa de viver, como também o oxigênio através de sua energia mantém a armação do corpo do ser vivo.

Ao retirar o oxigênio de um recipiente em que há tecidos animal, este tecido vai aumentar de tamanho. Pois o oxigênio produz pólos de atração e repulsão que aproxima e mantém a armação dos tecidos e dos corpos.

Isto acontece com outros tipos de material.

Mantém também a energia vital pelos processos produzidos pela energia do elemento químico oxigênio.

Ou seja, a vida é produzida e mantida por elementos químicos e processos físicos produzidos por estes elementos.

E que os processos produzem a energia e temperatura do corpo vital. E que tem ação e função primordial no funcionamento dos neurônios, do cérebro, da mente, da memória, da psiquê. Por isto que pessoas de idade elevada passam ter esquecimentos.

Uma pessoa com pouco oxigênio no cérebro tenderá a ter distúrbios mentais. Isto se confirma em pessoas com o crânio muito pequeno.

Sistema cientifico paralelo graceliano.

DIFERENÇAS ENTRE O SISTEMA GRACELIANO E O CONTEMPORÂNEO.

G - Cosmologia do universo fluxonário estruturante
Elemento primordial – espaço denso.
Autocosmo.

G -Rotação e translação do cosmo.
Afastamento ínfimo pela impulsão da radiação.

G - Agente de ação do cosmo.
Energia, radiação, temperaturas, rotação.

G - Teorias central.
Energeticidade, radiação, rotação,
Alternancidade, variância, estruturalidade,
Astro-cosmológica. Autocosmo, universo fluxonário
Estruturante.



B- big bang.
B- não tem um elemento primordial formador de todo o resto.
B – expansão.

B – gravitação.

B -teoria da gravitação, relatividade, cordas,
big bang, expansão, onze dimensões, teoria M, espaço curvo, matéria escura. Dimensões curvas.

B-Variável pelo tempo.
B – Usa a distancia e a velocidade da luz para cálculos.



G – o universo não se encontra em expansão, mas sim em rotação, translação e afastamento ínfimo. [ ver teoria do universo fluxonário].

G- Universo estruturante, evolutivo, sem formato curvo. Não se fundamenta em geometria curva,

G- variante pela energia que vai se processando. Autocosmo.

G- Não se fundamenta em referenciais.

G- Encontra unidade na estruturação cosmológica. Onde partículas, energia, astros, elementos, e cosmo forma um só todo. Onde a energia que atua sobre a partícula vai atuar sobre os elementos, os astros e sobre o cosmo.
G – fundamenta a unificação total – da energia ao cosmo.

G – Usa energia, diâmetro, radiação, temperatura, rotação e velocidade equatorial. Para cálculos.

G – uni a cosmologia com a astronomia – o fenômeno que forma o astro é o mesmo que produz a sua dinâmica, a energia e radiação. Que é a energia.

G – Uni também a química – os elementos evoluem e se modificam conforme a intensidade desta energia.

G – a rotação função primordial neste sistema. E não a translação.

G- o astro antes de ser esférico, enquanto se estrutura ele já se encontra em translação.

G- origem e translação acontece ao mesmo tempo.

G – a dinâmica e órbita tem origem pela energia e varia pela desintegração de energia.

G – uni a física, química e a cosmologia.

Sábado, 21 de Junho de 2008

TEORIA DO UNIVERSO FLUXONÁRIO ESTRUTURANTE A PARTIR DO ESPAÇO DENSO, e TEORIA DA ENERGETICIDADE E RADIAÇÃO.

Autor – Ancelmo Luiz Graceli.
Ancelmoluizgraceli@hotmail.com
Tel. 27- 32167566
Rua Itabira, nº 5, Conjunto Itapemirim,
Rosa da Penha, Cariacica, E.S. cep.29143 -269.
Brasileiro, professor, graduação em filosofia e pesquisador teórico.
Livros publicados- ASTRONOMIA, e MUNDO DAS INTERAÇÕES FÍSICAS.

Colaborador - Marcio Piter Rangel.

Trabalho apresentado a SECT- Espírito Santo- Brasil.
E a Sociedade Brasileira de Física.
Introdução publicada na WEB pelo Portal Fator Brasil - Canal Perfil. No dia 30.01.2008.
Se outras teorias com fundamentos e formulas tiveram aceitação, por que estas não terão? Pois, possui todos os fundamentos e todas as formas de cálculos, e que se confirmam com a realidade e a observação até hoje alcançada. Com mais de cento e dez fórmulas, com as mais variadas formas de se calcular um mesmo fenômeno, com mais de duzentos fundamentos em todas as áreas da física moderna. Inclusive, com novas previsões dentro da cosmologia e astronomia.

Apresentado a Revista de Ensino da SBFISICA. Soced. Bras. de Física.
Brazilian Journal of Physics - SBFISICA

APRESENTAÇÃO.

As teorias defendem o poder divino e vital sobre o cosmo, a vida, a mente e tudo o mais, contra o mecanicismo e o materialismo. Com fundamentos contundentes sobre possibilidades de como tudo possui uma origem e um direcionamento pelo poder divino em direção a vida, a harmonia, a perfeição, o aprimoramento e a eternidade em detrimento ao caos e ao fim.

Na cosmologia é defendido o universo que se estrutura como um fluxo de produção e destruição de astros. Na astronomia é defendido que o movimento é produzido pela própria energia do astro.
INTRODUÇÃO.

TEORIA DA ORIGEM DA MATÉRIA E DO COSMO, E DO UNIVERSO FLUXONÁRIO ESTRUTURANTE.



Esta teoria é a que mais se aproxima do poder de Deus. Pois vai contra qualquer forma de caos.

DO QUASE NADA TUDO PODE SURGIR - EXCETO DEUS.

O UNIVERSO É UMA AUTO CRIAÇÃO, PORÉM, UMA OBRA DESTE PORTE SÓ PODE TER O PODER DO CRIADOR.

Esta teoria vai de encontro à harmonia e eternidade cósmica em detrimento ao caos e a finitude do universo proposto pela teoria da grande explosão.
Enquanto um entra em fluxo de desintegração e reintegração com menos energia, outros nascem mais distantes a partir da aglutinação do espaço denso.


COSMO ESTRUTURANTE E DESINTEGRANTE.

Modelo Graceliano.
O universo é fluxo constante e infinito.

Primeira parte.

TEORIA DA BOLHA DE ESPAÇO DENSO E ENERGIA.

Enquanto na teoria da grande explosão o universo se expande a partir de um ponto do espaço e de uma pequena quantidade de energia, e é um só - DE FORA PARA DENTRO -Na teoria da bolha o universo se contrai a partir do espaço denso para produzir a matéria e a energia de vários pontos do infinito do espaço, numa constante produção de novos universos em vários pontos do cosmo. Ou seja, ele se contrai para produzir a matéria para depois formar os astros e se expandir pela radiação. E são vários universos em infinitos pontos do cosmo em infinitas fases.

De nascimento na fase bolha de espaço denso - fase estruturante-
Na fase de energia,
Na fase de matéria
E na fase de desintegração, de desprendimento e afastamento no espaço pela própria radiação da densidade da matéria.
E reintegração formando secundários a partir do material irradiado pelo primário.

PASSAGENS PARA FORMAÇÃO DA MATÉRIA, ELEMENTOS, ASTROS E OS UNIVERSOS.

Assim, o espaço denso se contrai até ser filamentoso - chega a matéria difusa - matéria densa - energia - núcleos difusos - astros - fusão nuclear - elementos químicos - de elementos leves em pesados - radiação – reengrupamentos em novos astros, os secundários - volta a se desintegrar - e o processo continua até se tornar matéria difusa.

OBSERVAÇÃO.

Não sentimos a ação do espaço denso porque estamos num universo em uma fase que já se transformou em matéria.

FÓRMULA PARA CONTRAÇÃO DE ESPAÇO DENSO.

O espaço denso se contrai e diminui de tamanho para produzir a matéria, e se dá numa contração e diminuição infinita, que pode ser calculada com a formula do limite infinitesimal. O todo menos uma parte, dividido pelo todo, assim infinitamente.

Espaço denso ED - parte P/ total espaço denso se estruturando. Assim, infinitamente, até transformar-se em energia e matéria.

ED - P / ED ... até chegar a ser energia e matéria.

Assim, temos a fórmula para formação da matéria, energia e para origem do universo.



INFINITOS UNIVERSOS EM FASES ESTRUTURANTES E DESINTEGRANTES.

PRIMEIRA TEORIA DA ORIGEM E NATUREZA DA MATÉRIA.

Sempre foi procurado pelos filósofos e químicos gregos, depois pela física moderna uma explicação para a origem, natureza e essência da matéria, em que o mundo em épocas foi dividido em forma e estrutura, espírito, mente e matéria, pois aqui mostro a primeira teoria do que a matéria pode surgir e do que ela é formada, que é de filamentos de espaço denso, sempre se procurou a matéria pela matéria e dividi-la infinitamente do átomo dos gregos até a centena de partículas que são catalogadas hoje.
Observação - nenhuma teoria exposta até hoje conseguiu dar uma fundamentação de que originou a matéria. Todas partem do pressuposto de algo pronto.

CÁLCULO DE FORMAÇÃO DE MATÉRIA E PARA COSMO ESTRUTURANTE.

Poder de contração do espaço denso = quantidade de espaço denso / tempo cosmológico = matéria e cosmo e fases estruturante.



CÁLCULO PARA COSMO DESINTEGRANTE.

Poder de desintegração = quantidade de matéria, temperatura, fusão núcleo estelar, radiação e energia / tempo cosmológico.

Pd*[qm] / t c.


ESPAÇO DENSO E MATÉRIA, E ENERGIA E ASTROS.


O universo não se formou a partir de uma grande explosão, mas sim do espaço denso, o espaço denso é todo espaço que nos circunda, que temos a noção que ele é um grande vazio, mas não é, possui densidade, e dele a matéria e a energia se originaram para formar os primeiros astros, galáxias e aglomerados.


ROTAÇÃO E TRANSLAÇÃO DO UNIVERSO.

É falsa a expansão, é na verdade uma translação e rotação e um mínimo de afastamento.

O que temos a noção de uma grande expansão do universo é na verdade a translação e rotação do mesmo. Pois, se ele é infinitamente velho e começaram a se expandir no momento de uma suposta grande explosão, os astros estariam tão distantes uns dos outros que nem a sua luz seria capaz de ser captada por qualquer tipo de telescópio.


O FORMATO DO UNIVERSO.

A disposição das galáxias em discos com os sistemas de estrelas também em disco prova que o universo é um processo de estruturação e passa por fluxos, pois se tivesse surgido num só momento numa grande explosão o formato do universo seria esférico, ou seja com todos os astros numa mesma distancia de um centro, e como também com a mesma translação e rotação.

Observação. Já temos aqui uma fundamentação da origem e de que material o cosmo se formou. Fundamentos não exposto até hoje por outras teorias.


A ENERGIA PRODUZ A RADIAÇÃO QUE PRODUZ O AFASTAMENTO MÍNIMO.

Há sim um afastamento mínimo proveniente da ação da radiação e de altas temperaturas, afastamento produzido pela energia processada por fusões nucleares no interior dos astros.

UNIVERSO DE ENERGIA ESTRUTURANTE. OU UNIVERSO DE CONTRAÇÃO E DESINTEGRAÇÃO.

O universo passa por dois processos - o primeiro da formação da matéria e energia pela contração dos filamentos do espaço denso.

O segundo da formação dos astros, seus processos de energia e produção de temperatura à proporção que a matéria se aglutina, com a matéria aglutinada é produzida grande quantidade de energia e temperatura, dando surgimento a radiação e a conseqüente desintegração do astro no espaço. Por isto que o universo é um fluxo de energia estruturante, onde primeiro se contrai para depois se desintegrar e se afastar uns dos outros, sempre em porções menores.

É UM FLUXO POR QUE SE CONTRAÍ DE ESPAÇO DENSO ATÉ A MATÉRIA, DE MATÉRIA EM ASTRO, SE DESINTEGRA EM RADIAÇÃO, VOLTA A REINTEGRAR-SE EM ASTROS MENORES E COM MENOS DIÃMETRO E ENERGIA, QUE VOLTA DESINTEGRAR-SE. E FLUXO CONTINUA INFINFINITAMENTE. ATÉ SE TORNAR MATÉRIA DIFUSA.

O mesmo processo passa as partículas e os átomos.


A PRODUÇÃO DOS SECUNDÁRIOS PELA RADIAÇÃO E ATMOSFERA.

Parte da radiação se transforma também em atmosfera, que vai sempre direcionar para o equador, em que vai formar cinturões de gases como é o caso de Júpiter, ou num estágio mais avançado os cinturões vão formar anéis que é o caso de Saturno e Urano, destes anéis vão se formar pequenos aglomerados de gases, que sempre irão se aglutinar mais e mais, onde surgirão os primeiros núcleos rarefeitos, e o processo de aglutinação continua, onde os secundários começam a surgir mesmo antes de se formarem, como gases eles já possuem translação e rotação e se afastam dos primários. Ou seja, antes de existir como astro o secundário já desenvolve a sua translação.

PROVA PELO FORMATO E DINÃMICA DA ATMOSFERA.

Isso pode ser confirmado com a Terra, em que a sua atmosfera já se concentra mais no equador e menos nos pólos, proveniente do magnetismo da Terra e ação centrifuga da rotação, e que a atmosfera possui dinâmica própria. Que se filamentará até chegar a dar inicio a um novo satélite. Porém isto não é para hoje.
O MAGNETISMO DO PRIMÁRIO ACELERA A FORMAÇÃO DO SECUNDÁRIO.

Se não fosse o magnetismo e a ação centrifuga da rotação dos astros, os seus secundários demorariam muito mais tempo para se formar. Pois o magnetismo e ação centrifugam agem na produção dos filamentos de gases para o equador e na produção destes filamentos no processo de esferificação, onde surgirão núcleos rarefeitos, até formar novos astros.

E o fluxo continua de desintegração do primário por radiação proveniente da produção de energia, para a produção de atmosfera e aglutinação em filamentos pelo magnetismo e ação centrifuga da rotação do próprio astro até chegar a esferificação, também através do magnetismo dos gases.


FASES DO FLUXO.

1 - com a contração dos filamentos do espaço denso para formar a matéria e depois da matéria produzida se forma em astros. Com os astros formados eles passam a se desintegrar como forma de radiação e temperatura.

2- o material da desintegração volta a se contrair e produzir astros menores, e destes outros menores o processo continua. Isto se confirma em que os astros possuem o formato esférico. Pois o arredondamento mostra que houve um processo lento de formação através de materiais que surgiram de fora para dentro, onde lentamente por aglutinação o astro foi se estruturando. Confirmam-se porque os núcleos são mais densos e a Terra é formada por camadas e núcleos.

No caso da produção dos planetas pelo Sol, a atmosfera nem chegou a se formar, e a radiação foi logo se filamentando para se esferificar e surgir os planetas.


UNIVERSO INFINITO NA IDADE, NO ESPAÇO, E NO PROCESSAMENTO.

A esferificação prova que o astro foi produzido por camadas de material de radiação por justaposição - uma sobre a outra, por isto que os núcleos são mais densos, que foi já provado na física do átomo. E o arredondamento prova que levou muito mais tempo para esta formação circular, logo o universo é um processo muito mais lento e constante que se pode imaginar. Assim, o arredondamento do universo prova a teoria do fluxo e que todo o universo de hoje não surgiu em um só momento, são vários universos em várias fases se processando e se estruturando, enquanto uns envelhecem pela perca e processamento de energia, outros surgem pelo espaço denso. Estas fases se confirmam pela observação atual, assim o universo é infinito na origem e no fim, no espaço e no seu processamento.

FASES DO UNIVERSO.
UNIVERSOS BOLHA ESTRUTURANTE E FLUXONÁRIO.

1- Origem - universo bolha de espaço denso e bolha de energia.
2- Tipo - estruturante fluxonário, se contrai para produzir a matéria a partir da bolha do espaço denso. Depois se expande após a contração e produção de energia, temperatura e radiação.
3- Forma de existir - processos de produção energia.
4- Quantidade - vários tipos em várias fases, da bolha até astro quase sem energia.
5- Tamanho - infinito na produção de novos universos, infinito no espaço e no tempo.
6- Forma - infinitas e variadas formas, de bolhas, gases, energia difusa, matéria densa e menos densa, astros, anéis, radiação, atmosfera, etc.
7- estruturante da matéria e do cosmo.




CRIAÇÃO MÁGICA - MATÉRIA A PARTIR DO ESPAÇO DENSO.

Antes de se falar da criação do universo, deve-se falar da criação da energia e da matéria, pois foi a partir da matéria que surgiu os astros.


O ARREDONDAMENTO E ESFERIFICAÇÃO DOS ASTROS.

A esferificação dos astros prova que,

1- Formou-se por um processo lento para ter o formato esférico, do contrário não o seria.

2- Formou-se de partes mínimas que foram se justa posicionando para formar o astro, do contrário não teria a formação redonda. Vê-se que enquanto Saturno e Urano possui anéis de gases na direção do equador, Júpiter possui uma lista de atmosfera que está em movimento na direção do equador, onde se confirma a origem dos astros por componentes do primário.

3- Os astros são mais velhos do que se pensa. E o seu núcleo é mais denso do que a parte exterior, e o planeta Terra é formado por camadas sobre formadas.

4- Fiz um cálculo para a idade da Terra, porém foi levado em conta apenas o afastamento, e não o tempo para a esferificação, que provavelmente foi muito maior.

5- Prova que o universo tem a sua origem através de elementos minúsculos, que foram se juntando para formar os astros, como partes mínimas de radiação, gases, luz e sobras de grandes temperaturas.

6- Aí se tem o universo se formando por partes mínimas, como energia e matéria, de dentro para fora com os núcleos mais densos que a crosta - parte exterior. Um universo muito mais velho, redondo e infinito no tempo de origem e de fim, infinito em relação a sua produção, logo, que nunca surgiria num só momento numa grande explosão.


RADIAÇÃO NA FORMAÇÃO DE SECUNDÁRIOS.

Assim, com o formato dos astros se tem mais uma prova da teoria do universo fluxonário estruturante. Por compressão do espaço denso, e desintegração pela radiação e temperatura, e uma nova compressão desta radiação no espaço, formando novos astros menores, como planetas, satélites e cometas.
E o processo estruturante e desintegrante continua produzindo asteróides e outros que se desintegrarão sempre produzindo astros e asteróides menores.

Existem universos só de espaço denso, de gases, de energia, de matéria difusa, de matéria e astros e de gases, luz e radiação, com isto se confirma a teoria aqui sustentada de que o universo não tem idade, pois ele é uma infinita produção e desintegração de si mesmo. E enquanto uns se desintegram outros em outros pontos do infinito do espaço começam a se formar lentamente pelo espaço denso.

Se o cosmo fosse produzido num só momento, os astros não teriam uma forma esférica tão definida, uns seriam longos e outros achatados.


SOBRE O ESPAÇO DENSO, MATÉRIA E ENERGIA.

A energia existe em função da matéria, desde sua produção até o seu transporte inclusive pelo ar, pois a matéria contém e produze a energia, pois a energia não tem como existir sem a matéria, e a matéria se origina e é espaço denso densificado.


MATÉRIA E ENERGIA = ESPAÇO DENSO DENSIFICADO.

Não tem como falar de um universo que se origina de uma pequena bola numa grande explosão, pois qual a origem desta bola, e dá aonde veio a energia para explodi-la.

A grande explosão contém varias contradições e falta de fundamentos de origem, causa e efeito.


ATMOSFERA INTERPLANETÁRIA E ESPACIAL.

O espaço interplanetário é constituído de gás a uma [ pressão de dez elevado a menos 19 atmosferas terrestres]. Isto é uma direção que o espaço não é um vazio sem densidade, sem pressão, e não é um vácuo.


CONTESTAÇÃO.
Se a gravitação atraísse os astros, todos os satélites ficariam a prumo entre o planeta e o Sol, pois o planeta seguraria de um lado e o Sol de outro, e estaríamos constantemente em eclipse. Por isso que a dinâmica depende da energia e radiação do astro.
Ver teoria da energeticidade e radiação.



ASSIM TEMOS AS FASES DO UNIVERSO.

A fase espacial filamentosa de densidade.
A fase energética espacial filamentosa.
A fase da materialidade - átomos, e elementos químicos.
A fase de astros imensos, com pouca densidade, e pouca radiação.
A fase da aglutinação, onde a matéria foi se aglutinando, aumentando a temperatura interna e a radiação.
A fase da desintegração pela temperatura interna e radiação.
A fase de formação de novos astros pela aglutinação do material expelido da radiação dos primeiros astros, assim vemos que é um fluxo e processo de integração, desintegração e novas aglutinações.



FORMAÇÃO DIRETA PELO ESPAÇO DENSO, E FORMAÇÃO DE SECUNDÁRIO PELA MATÉRIA JÁ FORMADA.

O material que já se tornou astro não volta a ser espaço denso após a desintegração, mas este material se integra formando novos astros menores.
Assim há dois processos.
1- o processo de formação direta pelo espaço denso.
2- e o processo pela desintegração do astro já produzido, que vai reintegrar-se e formar outros menores.

Assim, o espaço denso é um imenso todo, como uma imensa geléia sem forma definida.
O universo é um processo de forma direta pelo espaço denso, e um processo de ciclo, em que uns se desintegram e parte do seu material vai construir outros. Com isto vemos que a origem, produção e tempo do universo são infinitos, e o sistema de produção de universos é muito mais velho do que se imagina, em trilhões de anos.

E que existe vários tipos de universos, uns de espaço denso, campo de energia sem matéria, campo de energia com matéria, universos de núcleos atômicos, de gases, de matéria e astros se desintegrando e integrando outros.



EVOLUÇÃO CÓSMICA E EVOLUÇÃO DOS ELEMENTOS QUÍMICOS.

Assim, o universo é uma constante produção e de evolução cósmica, de produção direta e de desintegração, e produção secundária de integração em novos astros, enquanto os elementos químicos vão se processando e evoluindo.



SOBRE O AFASTAMENTO.

O universo não sofreu uma grande explosão para produzir o seu afastamento, mas sim, o afastamento é produto da radiação, rotação e das grandes temperaturas, que impulsiona os astros para frente, alterando a sua órbita. Ou seja, as fusões nucleares, a produção de temperatura e radiação produz o afastamento ínfimo entre os astros. Por isto que há uma proporção entre as distancias dos planetas e satélites.



CONTESTAÇÃO.

Se o universo tivesse sofrido uma grande explosão só as galáxias estariam se afastando, e os astros menores como planetas, cometas e satélites não estariam se afastando, e o afastamento progressivo provam que todos os astros se encontram em afastamento uns em relação aos outros, assim, todos os astros se encontram em afastamento proveniente de sua energia, radiação e temperatura externa.


CONTESTAÇÃO.

APARÊNCIA AO VERMELHO PELO EFEITO DOPPLER PELA ROTAÇÃO E TRANSLAÇÃO DO COSMO.

Será visto mais a frente que o universo não se encontra em expansão, mas sim em afastamento mínimo, e o que é detectado como aparência ao vermelho nem é este afastamento. Pois ele é insignificante no que tange ao deslocamento no espaço, e o que dá a aparência ao vermelho no efeito Doppler é o deslocamento da translação e rotação de astros e galáxias no espaço.



AFASTAMENTO PELA AÇÃO DA RADIAÇÃO.

Vemos então que, o universo é uma constante criação por filamentos de espaço denso de novas matérias e novos cosmos pela aglutinação dos materiais já fundidos e reintegrados, enquanto outros cosmos mais evoluídos se desintegram por radiação e alta temperatura, outros astros menores se integram com o material dos que já se desintegraram e que vão desenvolver uma órbita próxima aos que lhe deu origem e impulsão inicial, pela radiação e intensa temperatura.
Assim forma-se uma produção direta pelo espaço denso, e uma produção por ciclo de desintegração e integração pelo material desintegrado, enquanto os elementos químicos evoluem.
E, enquanto o universo se alarga pela radiação produzida pelos próprios astros. E não por uma suposta grande explosão, pois o afastamento é um processo continuo pela ação da radiação, pois só que decresce progressivamente e a impulsão inicial tende a perder intensidade.
Enquanto o universo material se expande, o universo de filamentos do espaço denso se contrai, ou seja, há duas situações inversas.

A radiação é proveniente principalmente das interações de fusões nucleares no interior dos astros.
Ou seja, o mesmo fenômeno - a radiação - que produz a órbita e a dinâmica dos planetas e satélites, produz também o alargamento do universo e produz novos astros, e é o produtor da estrutura deles, e de novos elementos químicos.
Conclui-se assim, que o cosmo é infinito na sua origem e será no seu futuro, como também é infinito no espaço e na produção de novos cosmos, e novos elementos químicos. O processo de criação lenta vai contra o processo de criação instantânea proposto pela grande explosão.
Para se provar a tese exposta acima é simples, é só constatar que a expansão se encontra em progressão decrescente. Porém como já foi visto, o universo se encontra em produção e em afastamento e não em expansão.
Assim, enquanto um se desintegra e vai produzir outros em outros cantos do universo o espaço denso se processa dando origem a galáxias de gases espaciais.
Assim, o universo é um processo de nascimento direto pelo espaço denso, dos já nascidos, e nascimento de outros a partir dos já nascidos.
Tudo ocorre por uma transformação direta da matéria na origem, é uma transformação fluxonária na produção de novos elementos químicos, novos astros e novas órbitas.
Segunda parte.



SOBRE A MATÉRIA.

M = ED = E / t - matéria é igual a espaço denso solidiquicado, que é igual à energia dividido pelo tempo.

A matéria é espaço denso energético solidificado, ou seja, as partículas e os elementos químicos são na verdade o espaço denso se processando energeticamente e produzindo solidificação.
E num estágio evolutivo mais avançado. Assim, a matéria passa por um processo evolutivo, e a matéria - espaço denso energético solidificado - se encontra sempre num aprimoramento, e passa por um processo lento e unificado por isso que toda a matéria e a estrutura do átomo são iguais.


FASES DE FORMAÇÃO DOS ASTROS.

O nosso universo não iniciou ínfimo anterior a uma grande explosão, mas sim, infinitamente grande, entrando numa contração para produzir a matéria, passando por energia solidificada que é a matéria, para depois estruturarem-se em partículas, elementos químicos, e finalmente astros.

Ou seja, o universo não formou astros instantaneamente, por isso que os astros e átomos possuem núcleos.

Primeiro forma-se a energia, depois a matéria e por fim os astros, diferente do que defende a grande explosão.

Assim, o universo passa da contração.
1- do espaço para energia e a matéria.
2- da matéria para astros.

Depois da desintegração através da radiação e intensas temperaturas.
Passa para a integração, onde novos astros são formados a partir do material da radiação.
Assim, o universo e um fluxo de ciclos de produção e estruturação e evolução, através de.
1 - Contração e solidificação.
2 - Evolução química.
3 - Desintegração, afastamento e dinâmica do universo pela energia e radiação.
4 - E integração em novos astros.

E que a órbita, a dinâmica, o afastamento e a desintegração do universo são provenientes da energia e radiação, tornando o universo de estrutura achatada, onde os astros já estão estruturados e em afastamento progressivo como é o nosso, enquanto outros são circular e em formação através de gases, e outros com tentáculos como grandes galáxias.

COSMOFÍSICA E ASTROFÍSICA.

PRODUTOR DE SI.

O universo é um sistema vivo e dinâmico de produção e estruturação, onde produz a sua própria energia para o seu funcionamento,estruturação e dinâmica, sendo que a energia aumenta à proporção que vai realizando o seu funcionamento, e é um sistema de fluxo, onde a mesma interação que produz os elementos químicos, produz os astros por fusão. E também produz campos, radiação, altas temperaturas, dinâmica, órbitas, estruturas dos astros, e o afastamento no universo. Ou seja, ele é um produtor de si, da sua estrutura e de seu funcionamento. Assim, é uma constante produção de integração e desintegração.


IDADE DO UNIVERSO.

Com isto, pode-se deduzir que o universo não possui uma origem determinada no tempo, muito menos em algum lugar do espaço, e não possui uma origem determinada na estruturação da matéria e dos astros que o compõem. Porém, tem idade infinita, pois o espaço denso sempre esteve aí e produzindo energia, matéria, até chegar a astros.


FORMA DE SER DO UNIVERSO

De contração pelo espaço denso.
De afastamento pela radiação.
De aglutinação pelo material da radiação.

O universo passa por fluxos enquanto produz os elementos químicos nas interações de fusões nucleares no centro dos astros, onde produz energia ao processar as interações físicas e produzir a sua estrutura de astros, órbitas e dinâmica.

SOBRE O MOVIMENTO

Se o movimento esta relacionado com a radiação, altas temperaturas, e interações físicas no interior dos astros que estão soltos no espaço denso para desenvolverem a sua dinâmica. Logo o movimento é natural e dinâmico, e varia conforme as situações de produção de energia em que se encontra o astro. E se a dinâmica obedece a um fluxo, logo o movimento é dinâmico, disforme e variável.



SOBRE O ESPAÇO DENSO.

Espaço denso produz a matéria, enquanto a matéria já produzida produz os astros e os elementos químicos vão sendo fundidos nas estrelas e secundários.

SOBRE A MATÉRIA

A matéria são filamentos do espaço denso contraído, que vai estruturar o universo em matéria, astros, elementos químicos, radiação, alta temperatura, e no universo auto dinâmico.


SOBRE O COSMO

O universo é auto dinâmico e enquanto produz a energia as interações físicas vão sendo processadas, e a radiação agindo e espalhando a matéria, os astros estão em dinâmica pela própria energia e radiação, os elementos químicos evoluem e se aprimoram, aprimorando a matéria e estruturando o universo, o cosmo se contrai pelo espaço denso, e se alarga pela ação da radiação, logo o universo é vivo e auto dinâmico.



SOBRE O TEMPO

O tempo não existe, o que existe é o cronômetro da memória marcado pelo funcionamento do cérebro como forma de consciência do que acontece entre intervalos de acontecimentos. Podemos considerar o tempo como algo secundário, que existe em função do funcionamento da consciência produzida pelo funcionamento do cérebro. A velocidade do cronômetro do homem é a velocidade de funcionamento do cérebro humano.


SOBRE O AFASTAMENTO E ALARGAMENTO DO COSMO.

Assim, a dinâmica do universo é proveniente da constante radiação, por isso que seu alargamento se encontra em progressão decrescente.
E os astros surgiram da aglutinação do espaço denso, enquanto a radiação e as altas temperaturas desintegram os astros. Logo no futuro e nesta parte e estágio do universo em que nos encontramos os astros serão mais frios e menores.

Assim, os astros estão soltos e livres no espaço, e não presos por supostos campos, onde a rotação das galáxias é menor que a translação.
Enquanto a matéria surge do espaço denso, onde são produzidos os astros, outros se formam em outros pontos do espaço, enquanto a dinâmica é comum a todos os astros e não só nas galáxias. Prova disto nós temos no sistema solar. Com isto vemos que o alargamento é uma produção constante pela radiação, e não por uma suposta grande explosão. Pois o mesmo fenômeno que produz a translação, rotação, órbitas, produz também o alargamento, por isso que o afastamento é progressivo decrescente, cresce progressivamente, porém tem um percentual de decréscimo na progressão.


O universo tenderá a se dissipar e se diluir em astros menores, e com menos energia, enquanto em outras partes se iniciará outros universos com o material do espaço denso.
O universo possui três formas fundamentais de produção
1 - uma estrutural, que produz a matéria e da forma a ela,
2-outra de ação que dá vida a matéria, que são as interações físicas, energia e radiação no interior dos astros.
3 - de produção de novos astros e elementos químicos.


SOBRE A FORMAÇÃO E IDADE DOS ASTROS DO SISTEMA SOLAR

Confirma-se que os asteróides não são perfeitamente redondos, pois na sua maioria são um pouco achatados e alongados. Confirma-se que eles são resultados de blocos de material expelidos de algum planeta ou do Sol, sendo massas mais inteiriça e produzidas de um só momento, enquanto planetas e satélites são astros redondos, onde se confirma que houve uma formação lenta de sobreposição de componentes de seus primários expelidos por radiações. Isto se confirma que os esféricos levaram mais tempo para se formar, e confirma a teoria aqui exposta.

Terceira parte.

COSMOFÍSICA DE INTERAÇÕES E ENERGIA.

O universo não poderia surgir de uma bola de energia ou matéria para explodir, pois surgiria à pergunta, da onde surgiu esta bola de matéria, e quanto tempo ela estava ali antes da explosão, e o que a formou.

Vemos que a produção da matéria e energia é um processo constante de fusões nucleares, evolução de elementos químicos e estruturação de novos astros e galáxias no espaço e outros constantes fenômenos que formam o nosso lento universo. Logo, o universo é sem inicio e sem fim, no tempo, no espaço, na materialização e produção.

A fase da astrofísica e cosmofísica, que é da produção de energia, radiação e a da desintegração por radiação e integração de material com menos temperatura no espaço, e onde surgiram os astros periféricos.

Se o universo tivesse surgido de uma grande explosão a matéria já existiria antes do universo, e isto não e possível de ser, o que vemos na verdade é que a matéria é parte de um processo lento, como é lenta a formação dos elementos químicos, como é lenta e constante a formação dos astros e do próprio universo.

Uma das provas contundentes da formação lenta do universo e do seu inicio de fora para dentro se fechando sobre si até tornar-se materializado, e que os astros são constituídos de camadas com maiores e menores densidades, com várias camadas umas sobre as outras, e um resfriamento progressivo até o interior dos astros. Logo, o universo não surgiria de um ponto, de dentro para fora.



ESTRUTURAS EM CAMADAS.

Assim, o universo por ser um processo lento, e de fora para dentro e feito de camadas, constatamos na rotação e dinâmica dos anéis de Saturno, como também na estrutura do átomo, e na estrutura do planeta Terra, ou mesmo na atmosfera da Terra e de Júpiter. A matéria e o universo são feitos de fora para dentro pelo espaço denso, e os astros também pelo material da radiação.

Uma grande explosão não daria inicio ao universo, pois se fosse o caso ele já existiria antes da explosão, e o que produziria a estrutura e a energia para explodir.

Os elementos químicos pesados também são produtos de um processo lento de formação.

FASES - VÁRIOS UNIVERSOS.

Há vários universos. O de bolha de espaço denso, o de energia de espaço denso, e o da matéria livre no espaço, e o da matéria estruturalizada em astros e radiação e altas temperaturas.

Os campos, átomos, astros e o próprio cosmo como um todo são determinados pela energia e intensidade das interações físicas em que eles se encontram como também as órbitas, dinâmicas dos astros e átomos. Mesmo a evolução dos elementos químicos e evolução da matéria e astros e do cosmo como um todo é resultado da intensidade das interações físicas e produção de energia.

As estrelas brilham graças às fusões nucleares espontâneas em seus núcleos, onde elementos leves são transformados em elementos químicos pesados.

Vemos no universo que enquanto umas estrelas minguam outras floresçam tudo isto se dá num processo lento de criação e transformação em novos elementos e novos astros.

Com isto o cosmo se torna infinito na sua origem e na produção, vemos que há vários tipos de universos uns mais velhos, outros mais novos e outros diferentes, que é criado por um Deus calmo, construindo cosmos, seres e almas para o bem.


CONTESTAÇÃO DA EXPANSÃO.

O que dá uma aparência de haver uma imensa expansão são a translação e a rotação das galáxias, na verdade a translação é imensamente maior que o afastamento entre os astros.

Se os astros estivessem se afastando em linha reta pela idade proposta até aqui do universo, todos os astros estariam tão distantes que seria impossível de ver nem o Sol, quanto mais o vermelho do efeito Doppler. Conclui-se que o universo não está em expansão, mas sim em translação e rotação, e um afastamento mínimo bilhões de vezes menores do que qualquer translação.

Todas as galáxias estão se abrindo como um girassol, ou seja, se afastando do seu centro, e em translação e rotação por isso que temos uma noção de uma imensa expansão, porém isto é uma aparência do efeito da translação e rotação das galáxias, pois do contrário elas estariam infinitamente distantes uma das outras, sendo impossível de registrar a sua posição ou mesmo qualquer forma de luz, até mesmo do Sol. Uma vez que possuem origem infinita e produção constante.

Por isso temos a noção de que todas estão se distanciando do Sol, pois com a rotação e a translação o efeito Doppler para o vermelho é registrado com maior intensidade, e que dá uma aparência de que o Sol está no centro do universo, pois o movimento é mais translacional e rotacional do que de afastamento.

Se a expansão fosse produto de uma grande explosão as galáxias estariam infinitamente distantes e já estacionadas no espaço.
Assim, por ser possível detectar a aparência das galáxias e a sua dinâmica, constata que o universo não se originou de uma grande explosão e nem a suposta expansão é produto de uma grande explosão, logo o universo é infinitamente velho, e a sua suposta expansão é origem e produto da sua radiação, e é freado pelo espaço denso. E parte do que detectamos como expansão é a aparência da translação e rotação das galáxias.

Com o tempo para a formação da matéria, com o tempo da evolução dos elementos químicos, formação dos astros, esferficação da estrutura externa dos astros, se vê que o universo é infinitamente velho, logo se a suposta expansão é relacionada a uma suposta grande explosão não daria para detectar a existência das galáxias no espaço, pois estariam infinitamente distantes.

Como também, da onde surgiria a matéria para produzir uma grande explosão.

A origem da matéria pelo espaço denso, evolução dos elementos químicos, formação e esferificação quase que perfeita dos astros, camadas de atmosfera e de estrutura dos astros e a existência das galáxias confirma a teoria da origem do universo pelo espaço denso, a produção do universo pelas interações físicas e fusões. E a dinâmica pela energia, impulsão pela radiação e pelas interações físicas, como também o freio cósmico da dinâmica dos astros pelo espaço denso.
Assim, o universo não foi produzido num só momento numa grande explosão e também não se encontra em expansão, mas sim num afastamento mínimo e insignificante, bilhões de vezes menores do que qualquer velocidade de translação e é fácil visualizar.

Se o planeta Netuno tem tantos quilômetros de afastamento do Sol e ele desenvolveu até hoje quantas voltas em torno do Sol e com que velocidade. Este cálculo serve para qualquer astro.


CÁLCULO DE AFASTAMENTO DO UNIVERSO.

Afastamento em km do primário / número de voltas sobre o primário * arco da distancia em km da translação = o valor aproximado de afastamento de um astro desde o inicio da sua formação.

Exemplo.

O raio do Sol até a Terra tem 150.000.000 de km, sendo que o circulo em volta tem aproximadamente 3.5 vezes este raio, e que a Terra já deu mais de 1.000.000 de voltas, ou seja, para calcularmos o afastamento da Terra, temos que; dividirmos 1 raio / [pelo arco da translação multiplicado por numero de voltas].

150.000.000 / 750.000.000 * número de translações da Terra sobre o Sol.
1 / [3.5 * 1.000.000] = 0. 00000002 km por ano.

Ou seja, o afastamento da Terra é menor do que 1metro por ano, enquanto o planeta desenvolve um percurso de translação de mais de 750.000.000 km por ano.

Não foi levado em conta aqui o tempo para a esferificação do planeta.

Com isto se conclui que o alargamento é insignificante em termos observacionais, porém este afastamento é fundamental. Pois enquanto um planeta se afasta, vai dando lugar a outro para ser produzido, é como uma produção organizada, e que ao se afastar do Sol ele vai processando a sua energia e esfriando, dando condições para que a matéria evolua e a vida possa brotar e ter um corpo vivo de matéria evoluída.

E que a aparência para o vermelho é resultado da translação e rotação, pois o afastamento é insignificante. Logo, o universo se encontra num mínimo afastamento imperceptível e não em expansão, pois se o que é observado fosse uma expansão os astros estariam tão distantes uns dos outros que da Terra não daria para ver o Sol, nem de telescópico. Assim, lhes proponho uma outra teoria, que é a do universo fluxonário estruturante.

Com isso se conclui que não existe uma expansão, mas sim um afastamento mínimo, quase insignificante. Porém fundamental para os processos de energia do astro e de todo sistema em que ele faz parte, e o que dá a aparência ao vermelho no efeito Doppler é o deslocamento da translação dos astros e a rotação das galáxias no espaço.

Isso serve para todos os sistemas de universo na forma de matéria e energia.


COM A TEORIA DA ENERGETICIDADE É POSSÍVEL PROVAR

1- a progressão das distancias entre os planetas, em que os mais distantes o afastamento sempre aumenta e é maior.

2- E, por que Júpiter é mais de 100 vezes maior que a Terra.

3- Por que Plutão é o primeiro planeta e está a mais de 75 vezes mais distantes do que a Terra em relação ao Sol.

4-Por que Saturno e Júpiter possuem mais de 10 satélites enquanto os dois mais próximos não possuem satélites. E por que o numero de satélite aumenta conforme o diâmetro do planeta.

5- Por que Júpiter possui uma rotação mais de 100 vezes maior que Mercúrio.

6- por que os maiores astros, como estrelas, planetas e satélites são esféricos.




PROVA.

Constatação de que os astros esfriam e mesmo em relação aos planetas que quanto mais distantes do Sol são mais velhos, com mais energia já processada e gasta e são mais frios.

Os planetas se formaram de dentro para fora, por camadas de energia e matéria expelidas do Sol, sendo aglutinadas para formar os planetas e satélites, isso se confirma na aparência da atmosfera de Saturno e Júpiter, as camadas que forma a terra e a esferificação.


TEMPO DE VIDA DO UNIVERSO.
Com o exposto acima o universo é infinito na sua origem e sem fim, no espaço e no processamento.


SOBRE A ORIGEM DOS SECUNDÁRIOS E SUA DINÂMICA.

FILAMENTOS DE ATMOSFERA E ESFERIFICAÇÃO.

Aparentemente, há alguma coisa colorida na atmosfera de Júpiter, e essa atmosfera se espirala de tal forma que as substancias coloridas se concentram amplamente em certas latitudes e se espalham para formar os cinturões. Por isso ocorre em certas latitudes e em outras, não se pode dizer - ainda nos é difícil explicar a circulação da atmosfera terrestre, e no momento não temos esperança dos intricados detalhes da atmosfera de Júpiter.
Se fosse apenas uma questão de rotação, poderíamos esperar que os cinturões de Júpiter fossem perfeitamente retos e uniformes, eles não o são. Há sempre pequenas saliências, reentrâncias, e manchas aparecendo de um momento para outro, expandindo-se, contraindo-se, escurecendo, clareando. Talvez seja resultado de tempestades jupterianas, suficientemente violentas para alterar a circulação normal da atmosfera, que produz os cinturões, seguindo cursos ditados não somente pela rotação do planeta, mas também por irregularidade da superfície sólida situada abaixo, ou radiação e atividades tectônicas.
Nos anéis de Saturno também há estas irregularidades e uma rotação mínima, e no satélite Amaltéia se constata que ele acompanha com sua translação a rotação de Júpiter, como um filho próximo da mãe.

Isso só nos vem confirmar o exposto até aqui, que os satélites se originam de filamentos de gases da atmosfera dos planetas, e que a translação se origina juntamente com a origem do próprio satélite, ou mesmo pode-se dizer que eles antes mesmo de ser um astro já se encontram em dinâmica.

A rotação do primário espirala e condensa próximo do equador a atmosfera, aonde deste espiralamento de gases vai formar novos astros, que estes gases já se encontram em dinâmica translacional e variação e densidade na sua forma e estrutura.

O gás que formam um cinturão espiralado se processa e locomove para um só ponto próximo do equador, por dois motivos, magnetismo do astro e centrifuga de rotação, onde vai começar a dar inicio a uma esfera, que é o processo de esferificação que se tornará em astro. Ao se formar ele se distanciará dando condição a outros sucessivos que virão a se estruturar.

Assim, os caminhos são,

1-Formação da atmosfera pela radiação, e deslocamento desta atmosfera sobre o astro pela própria ação da radiação.

2-Espiralamento da atmosfera pela rotação do astro e deslocamento da atmosfera, que se desloca próximo ao equador.

3-Esferificação desta atmosfera espiralada com translação.

4-A esfera além da translação e afastamento que já possuía, passa também a se distanciar do primário que o formou. E o processo continua, enquanto o astro se afasta e translada, também passa a produzir a sua rotação.

Por isso que quantidade de translação, afastamento e rotação dependem de toda energia em processamento do astro, que vai produzir toda radiação do astro no espaço. E por isso que ao envelhecer toda dinâmica tende a diminuir, pois já gastou quase tudo que podia.


DINÂMICA LIVRE, PRÓPRIA E DECRESCENTE PELA ENERGIA.

Confirma-se que a dinâmica é própria do astro e proporcional a sua energia, e que os astros estão livres no espaço, e esta liberdade e radiação fazem com que eles se afastam de seus primários. Logo, se eles se afastam por radiação não podem ser atraídos.


CONCLUSÃO.

COSMOFÍSICA.

Considerações.

Provas de que o universo são processos de estruturação infinita.

O que prova que o universo se estrutura por um processo lento é através da esferificação dos astros e que a terra ser formada de núcleo e camadas, pois prova que os astros são formados de sobreposição de materiais pequenos que foram expelidos por outros. Pois se o universo fosse produzido num só momento por uma grande explosão a terra seria formada por um bloco inteiriço.
Com a esferificação e camadas se prova que o universo é bilhões de vezes mais velhas do que se pensa hoje.

E se é infinitamente velho e considerando a velocidade e a aparência para o vermelho observada, com isto se conclui que não veríamos o sol e nenhuma estrela no espaço, pois o tempo que se encontra em velocidade elas estariam infinitamente distantes, e não seria capaz de observar nenhum astro no espaço.

Considerações sobre uma teoria da cosmologia e astronomia.

Uma teoria da cosmologia e astronomia deve se fundamentar no universo geral, da origem da matéria, das partículas, origem dos elementos químicos e sua estruturação, processamento, e evolução, fusão nuclear dos astros, radiação, temperatura, estruturação e estrutura dos astros, o universo como um sistema em evolução na sua constituição macro, geral e micro.

O que é o universo.
É espaço denso, matéria densificada, processos e estrutura, fluxos e evolução, sem inicio e fim.

A estrutura do espaço denso.
Como os gases que são leves, invisíveis e flutuam o espaço denso é milhões de vezes menos densificado.

Hipótese falsa da grande explosão.
Tudo antes de explodir primeiro tem que ser formado de algum elemento, ou alguma estrutura de matéria ou espaço denso, logo é falsa a hipótese da grande explosão.

Sobre o tempo cosmológico.

O tempo cosmológico é o tempo que representa a energia e processamento num sistema de astros.

Cosmofísica.

Universo de processos ínfimos.

O que componhe e determina o cosmo na sua estrutura são os seus processos físicos, produção de partículas e elementos químicos e sua evolução, nos núcleos onde as fusões estelares acontecem, ou seja, o universo micro determina o macro e o geral, um sistema de galáxias só vai se abrir conforma a intensidade de processos físicos que são produzidos no sistema. Ele terá luzes e formas e fluxos, componentes químicos, fusões conforme o processamento físico geral.

Da multiplicidade do universo.

O universo é múltiplo, ou seja, são vários em vários estágios de origem, processamento, estruturação, fluxo e desintegração.
Ele tem origem pela densidade do espaço que forma a matéria, depois a energia e durante o processo forma os elementos químicos e os astros.

Do fluxo do universo.

O universo se estrutura de fora para dentro [ por integração do espaço denso] depois de dentro para fora [ por desintegração da matéria ] pelos processos e fusões da matéria e nos núcleos dos astros.
Volta a se reintegrar formando astros menores e com menos energia, depois se desintegra em radiação, e se reintegra em astro, e o fluxo e processos continua até a matéria se tornar difusa e com pouca energia.

Como exemplo se tem do espaço denso e a matéria, da matéria ao astro, a estrela que produz radiação, que vai produzir planetas, que vai produzir radiação e atmosfera, que vai produzir radiação, anéis e satélites, e o fluxo e processos estruturantes e desistruturantes continua infinitamente até a matéria difusa.

Onde leva a matéria evoluir e produzir os elementos químicos. Assim o universo é infinito e sem forma determinada.
Assim, o universo se encontra em contração e alargamento interno, mas não em expansão e sim em afastamento ínfimo, se encontra em translação e rotação, estruturação, fluxos e evolução de seus componentes.
Enquanto uns começam a sua origem, outros se encontram em fluxos e processos, enquanto outros já se encontram na fase final que é em matéria difusa.

Cosmofísica nuclear.
Fusões nucleares.

As fusões nucleares das estrelas mantém por um bom tempo a temperatura dos astros, com isto faz com que o universo se processa lentamente, e possa manter o seu fluxo e evolução da matéria e elementos químicos e ajuda a transforma elementos leves em pesados, e vai produzir a energia e dinâmica dos astros, por isto que os secundários mais distantes possuem menos dinâmica e as órbitas são mais irregulares. Ou seja, satélites de planetas, planetas de estrelas.

Assim, o universo e seu fluxo e estruturação se deve a sua produção de energia, como também a evolução dos elementos e a dinâmica dos astros.

A produção de energia vai determinar também as camadas e esferificação dos astros.
Universo não expansionista e não estacionário.
Assim se confirma que o universo se encontra em afastamento ínfimo e não em expansão, e não se encontra estacionado pois possui rotação, translação, fluxos, evolução e outros fenômenos.

Evolutivo.
Encontra-se em evolução na sua estrutura micro e macro, dos elementos aos astros. E se eterniza como matéria com densidade difusa
.
Não é curvo e nem reto.
Observação.
A teoria da energeticidade e radiação que trata da astronomia será apresentada em outro texto. Com mais de cento e dez fórmulas provando as duas teorias, pois uso diâmetro, radiação, temperatura, rotação e velocidade equatorial. E não uso distancia massa ou gravitação.
___________________________